• (51) 3594-2565
  • campal@campal.com.br
  • Atendimento Online
  • Campal Serviços Contábeis no Facebook Campal Serviços Contábeis no Facebook
Jul
28
2017

Aumento do PIS/Cofins Combustíveis: além das inconstitucionalidades

Resultado de imagem para pis cofins combustiveis

Uma decisão proferida em ação popular ajuizada no Distrito Federal suspendeu os efeitos do Decreto nº 9.101, de 2017, que aumentou o PIS e a Cofins incidentes sobre combustíveis. As razões que fundamentam a inconstitucionalidade da medida são óbvias.

Em primeiro lugar, a majoração deveria observar o princípio da anterioridade nonagesimal, aplicável a esse tipo de contribuição. Em outras palavras, a cobrança não poderia ser imediata. Além disso, o PIS e a Cofins não são tributos que comportem alteração de alíquotas via decreto; há exigência constitucional de lei em sentido formal para tanto – mais um reforço à inconstitucionalidade.

Como disse no início, as razões para a inconsistência do decreto são inequívocas e primárias: ofensas claras à Constituição. Por essa razão, meu objetivo com este texto não é tratar da extensão dessas afrontas. Gostaria de chamar atenção para outras consequências resultantes desse tipo de medida.

É sabido que o governo Temer tem tido dificuldades em manter a meta fiscal e é dentro desse contexto que a majoração do PIS/Cofins se insere: diante da necessidade de contenção do aumento do déficit (previsto em R$ 139 bilhões), a escolha pelo aumento de tributos como medida de promoção do ajuste fiscal não é novidade no Brasil.

Contudo, ainda que a necessidade de conter a crise seja premente, o uso de mecanismos evidentemente inconstitucionais para assegurar a entrada imediata de recursos em caixa extrapola o julgamento sobre a validade jurídica da medida; trata-se de ato eivado de irresponsabilidade.

A judicialização do tema já é uma realidade e, ainda que a Advocacia-Geral da União consiga reverter a decisão provisória concedida no Distrito Federal, é certo que a tese será levada ao Supremo. Até lá, se não houver medidas judiciais suspensivas da exigência, contribuintes terão pago as contribuições majoradas ou realizado depósitos judiciais das quantias devidas.

Quando, finalmente, o tema for analisado pelo Supremo, ainda que o cenário fiscal do país seja outro, é bastante provável que a Fazenda alegue a necessidade de modulação dos efeitos de eventual decisão pela inconstitucionalidade considerando riscos orçamentários. Será a violação da máxima de que ninguém pode se beneficiar da própria torpeza. E é exatamente nesse ponto que se situa a irresponsabilidade: o impacto nas contas públicas teria sido causado por uma ação proposital e refletida do próprio governo, cujo objetivo foi, apenas, o de remendar o problema do déficit no curso prazo.

As consequências são nefastas: mais despesa pública com a movimentação do Judiciário, prejuízo real para a União diante da possibilidade de restituição dos valores indevidamente recolhidos e aumento da insegurança jurídica.

É evidente que os ambientes fiscal e político do Brasil não favorecem a pauta sobre incrementos no sistema tributário que resultem em imposições tributárias mais justas e menos concentradas no consumo, base regressiva que estimula a desigualdade. As mesmas dificuldades se impõem quando se trata de discutir sobre medidas saudáveis de promoção do ajuste fiscal. No entanto, se esse debate não for levado à sério nas diversas esferas do governo, a saída da crise se mostrará cada vez mais distante e o nosso sistema tributário cada vez mais degradado.

Fonte: Valor S.A.