Como criar e gerenciar suas senhas na internet

Vazamentos de dados prejudicam a segurança digital dos usuários. Mas existe uma série de técnicas que possibilitam bloqueios mais fortes e seguros

Em janeiro de 2019, cerca de 770 milhões de endereços de email do mundo todo tiveram sua segurança comprometida, no maior vazamento de dados de todos os tempos.

Batizado de “Coleção #1”, o vazamento comprometeu a segurança dos dados de usuários de mais de 2.000 serviços digitais, incluindo plataformas como a rede social LinkedIn e o serviço de armazenamento na nuvem Dropbox.

O episódio, aliado a outros similares acontecidos no passado, resultou no comprometimento de pelo menos 1,1 bilhão de endereços de email, segundo Troy Hunt, diretor regional da Microsoft e especialista em segurança digital.

Usar a mesma senha em diversos serviços digitais é um dos maiores riscos para a segurança digital, segundo especialistas. De acordo com uma pesquisa feita em 2018 pela empresa de consultoria LogMeln, 59% dos usuários de internet usam a mesma senha para múltiplos acessos em sites diferentes. A pesquisa foi feita a partir de entrevistas com 2.000 pessoas em cinco países.

Outro estudo, feito pela empresa Cyclonis, especializada em segurança digital, demonstrou que senhas como “12345” são muito comuns, apesar de serem fracas. A pesquisa entrevistou 275 americanos, e 34% deles admitiram o uso de combinações simples como essa.

Como criar uma senha forte

A Avast Software é uma das maiores empresas de desenvolvimento de soluções de segurança digital no mundo. Em um artigo publicado em 2018, a companhia deu algumas dicas para a criação de senhas fortes.

  • As três primeiras diretrizes são: não use combinações como “12345”, a palavra “senha” nem informações pessoais, como seu nome ou data de aniversário, já que possíveis hackers tentarão usar esses dados em uma possível invasão.

    Passado isso, a Avast recomenda a criação de senhas longas, com números, caracteres especiais (como !, * e #) e letras distribuídas em maiúsculas e minúsculas.
  • Outra técnica apresentada pela empresa é a criação de senhas a partir da junção de palavras não relacionadas, como “CarroLivroCelularAbajur”. Nesse caso, é recomendado ao usuário criar uma imagem mental com todos os elementos presentes na senha.
  • Uma possibilidade é criar uma senha a partir das duas primeiras letras de cada palavra de uma frase. Por essa técnica “Eu Estou Lendo o Nexo Jornal” formaria a seguinte senha: “EuEsLeoNeJo”.
  • Há também a possibilidade de se usar um gerador aleatório de senhas, que mistura letras, números e caracteres especiais em combinações únicas.
  • O Google também oferece aos usuários algumas dicas de como criar senhas fortes. Uma técnica apresentada pela gigante da tecnologia é compor uma senha a partir de um trecho de letra de música ou de um livro.
  • A empresa também sugere criar senhas a partir de uma lista de palavras com significado importante para o usuário.

AS SENHAS MAIS COMUNS DO MUNDO

Em abril de 2019, o Centro Nacional de Segurança Digital do Reino Unido divulgou uma lista com as senhas mais comuns, as quais, por isso, deveriam ser evitadas. A lista é atualizada anualmente.

Como gerenciar as suas senhas

Dados de 2016 levantados pela empresa de segurança digital Intel Security apontaram que 37% dos americanos esquecem uma senha pelo menos uma vez por semana, com cada pessoa tendo, em média, 27 senhas que são usadas em serviços digitais.

Uma forma de criar senhas fortes e não esquecê-las é o uso de um gerenciador de senhas. Diversos programas e aplicativos têm essa função, com versões pagas e gratuitas.

O aplicativo 1Password é um dos gerenciadores de senhas mais populares do mundo. Ele cobra assinaturas a partir de US$ 2,99 ao mês e tem versões para computadores, celulares e tablets. Além de reunir todas as suas senhas em um único lugar, protegidas por uma senha-mestre, o 1Password dá sugestões de senhas fortes e analisa as já existentes em busca de falhas de segurança na sua composição.

O programa DashLane é uma opção gratuita para computadores e celulares Android ou iOS. Nele, você cria uma planilha com todas as suas senhas, que são protegidas por uma senha-mestre de acesso. Há também a possibilidade de planos pagos do aplicativo, que trazem mais funcionalidades.

Minha segurança digital foi comprometida?

Dado o histórico de vazamentos de grandes bases de dados com emails e senhas, é possível que a sua segurança digital já tenha sido comprometida. Troy Hunt criou um site para que qualquer um saiba se teve seus dados vazados em alguma ocorrência do tipo.

No Have I Been Pwned, o usuário pode digitar seu endereço de email e descobrir se a segurança digital de seus serviços online foi comprometida de alguma forma, a fim de criar novas senhas para essas plataformas.

Autenticação em dois fatores: uma proteção extra

Além de criar senhas fortes, uma forma de se ter mais segurança em serviços digitais é usar sistemas de autenticação em dois fatores.

Presente em sites como o Facebook, Twitter, Instagram e nas contas do Google, o sistema de autenticação em dois fatores faz com que, ao inserir a senha correta, o usuário tenha de inserir uma segunda combinação numérica, gerada aleatoriamente e disponível por um curto período de tempo, para verificar a autenticidade do acesso.

No Twitter, a autenticação em dois fatores envia um SMS para o telefone celular do usuário, informando-o qual a segunda chave que garantirá o acesso. Plataformas digitais de banco também trabalham com sistemas de autenticação em dois fatores, os tokens.

A McAfee, uma das principais empresas de segurança digital do mundo, sugere a autenticação em dois fatores em todos os serviços digitais nos quais ela é possível.

Fonte: Nexo Jornal