]

Educação financeira ajuda a realizar sonhos

Acompanhar ganhos e gastos, ter o hábito de guardar dinheiro mensalmente, planejar e ter objetivos a curto, médio e longo prazo. Essas são algumas das sugestões dadas pela contadora e especialista em educação financeira Marcia Kleemann durante webinar nesta quinta-feira, 10, com a mediação de Daniel Antônio de Campos, Vice-presidente de Serviços da ACI, e o patrocínio de Sicredi Pioneira.

O segredo, segundo ela, é fazer escolhas melhores e mais conscientes, pois a nossa relação com o dinheiro é mais emocional do que racional. “Para a maioria das pessoas, o agora vale mais do que o futuro e a tendência de se buscar a satisfação imediata leva muitas vezes à compra de produtos desnecessários e a gastos não planejados”, afirma.

Para despistar o imediatismo, pode-se utilizar estratégias como evitar comprar por impulso e experimentar deixar a compra para o dia seguinte. A tendência humana é pensar que, no futuro, seremos uma versão melhor de nós mesmos e que nada de ruim vai nos atingir. O otimismo, destaca Marcia, é essencial, mas, quando exagerado, nos expõe a riscos. Por isso, a dica prática é proteger-se de imprevistos fazendo uma reserva de emergência.

Evitar deixar-se influenciar pela ‘grama mais verde do vizinho’ e pelas mídias sociais, que induzem ao consumo, também são formas de evitar gastos desnecessários. “Identifique as influências e busque mais informações antes de comprar”, sugere. Para a especialista, é necessário proteger o dinheiro de nós mesmos, pois o nosso cérebro nos engana e, se entendemos como isso funciona, podemos tomar atitudes que dificultem os impulsos.

Hábitos para melhorar a vida financeira

Márcia Kleemann enfatiza que construir novos hábitos é recomendável e que três hábitos para melhorar a vida financeira são orçar, planejar e investir. “Acompanhe seus ganhos e gastos. Elabore um orçamento, evite fazer cálculos mentais e converse sobre dinheiro em casa. Não importa a forma como você faz. O importante é fazer, seja através de caderno, planilha ou app”, explica.

A palestrante destaca a importância dos chamados 3Gs – ganhar, guardar e gastar – e do que ela denomina de ‘orçamento invertido’, que consiste em definir um valor mensal para investir, outro para gastos essenciais, outro para imprevistos e outro para supérfluos, nesta ordem, em contraposição ao modelo tradicional, que propõe pagar todos os gastos e poupar o que sobra.

Ter objetivos a curto, médio e longo prazo

A especialista em educação financeira diz também que não basta sonhar. É preciso planejar e ter objetivos a curto, médio e longo prazo, com valores necessários e prazos para realizá-los. Não se deve esperar sobrar para guardar. “Assim que você receber, guarde dinheiro para você, de preferência, automática para poder realizar seus objetivos. 10% não fazem tanta diferença agora, mas fazem toda a diferença no futuro”, justifica.

Outra sugestão de Márcia é desenvolver novos hábitos, como estabelecer objetivos claros e alcançáveis, definir um cronograma com datas e horários, acompanhar o desempenho regularmente e celebrar pequenas conquistas. “Não importa o quanto você ganha, mas o que vocês faz com o dinheiro”, finaliza.