Entenda por que o Rio Grande do Sul inundou

Estado enfrenta chuvas intensas desde o último dia 27

Diversas regiões do Rio Grande do Sul sofrem, desde a semana passada, com fortes alagamentos, deixando cidades inteiras debaixo d’água. As inundações são reflexo da quantidade elevada de chuva que cai no estado desde o dia 27, sob efeito do El Niño, e são também uma das consequências dos efeitos das mudanças climáticas no mundo.

Já choveu o volume esperado para seis meses em algumas cidades neste curto período. “Os valores observados em alguns locais equivalem ao esperado para um mês. Nós observamos alguns locais que choveu 60% do esperado para o ano todo em uma semana”, diz Fernando Mainardi Fan, professor do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da UFRGS, especialista em previsão de vazões e hidrologia e integrante do Grupo de Pesquisa em Desastres Naturais (GPDEN). 

Porto Alegre é uma das cidades afetadas. Com a cheia do rio Guaíba, a capital foi inundada. Segundo dados da Prefeitura de Porto Alegre divulgados na manhã desta segunda-feira (6) no perfil do X, a cota do rio às 8h15 de segunda-feira (6) era de 5,27 metros, sendo que a cota de inundação é 3 metros. 

Entre os dias 1 e 6 de maio, o município de Caxias do Sul, por exemplo, já soma 447,8 mm até o momento, com média de 131,4 mm por dia. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), isso significa que já choveu mais do que o esperado para todo o mês. 

Além disso, Fan ressalta que o estado não possui mapeamento topográfico na escala estadual, que serviria para conseguir identificar locais de risco de maior de escorregamento, movimento de massa e inundação. “Poderíamos ter um pluviômetro em todos os municípios com dados telemétricos. Isso não é algo intangível. Ter mais pontos de medição nos rios. Além disso, ter mapeamentos melhores”, diz. 

Valor procurou o governo do Rio Grande do Sul, mas não obteve resposta até a atualização desta reportagem. O espaço segue aberto. 

O que explica o fenômeno meteorológico?

Além do El Niño, que causa aquecimento anormal das águas do oceano Pacífico, as chuvas intensas também foram causadas por um “anticiclone”, que atinge a localidade e cria um bloqueio atmosférico, diz Andrea Ramos, meteorologista do Inmet. 

O fenômeno mantém uma massa de ar seca e quente atuando na região central do país, que envolve o Centro-Oeste, Sudeste e norte do Paraná, e que inibe a entrada de frentes em outras áreas, sobretudo no Rio Grande do Sul. 

O bloqueio, explica ela, é como um tampão. À medida que os sistemas atuam no RS, não conseguem uma incursão para sair e ficam sobre o estado. “Esse bloqueio inibe com que haja, quando há formação de frente fria que é comum nesta época do ano, a entrada de massas de ar. Ela fica confinada e tem essa tendência de ficar parado, jogando umidade do oceano no Rio Grande do Sul”, explica. 

Além disso, Andrea comenta que há uma área de baixa pressão chamada “Baixa do chaco”, próxima do Paraguai e da Argentina, que é caracterizada como uma área de instabilidade, que aumenta o potencial de chuvas com volume significativo. 

“Isso já potencializa as chuvas controladas e rajadas de vento. Quando os fenômenos estão associados, como a frente fria associada com cavados, isso se potencializa. Há também o canal de umidade que sai da Amazônia, que encontra esse bloqueio atmosférico. Nesse caso, a umidade vai toda para a região sul, e esse conjunto de fatores vai manter a chuva frequente no estado”, explica. 

Andrea explica também que a região Sul tende a ter antecipação das chuvas. Enquanto na região Sul do país o El Niño provoca muitas chuvas, na região Norte e Nordeste já diminui. A previsão, segundo o Inmet, é que a chuva continue até o fim da semana, mas com menor potencial. 

O Inmet emitiu, nesta segunda-feira (6), três alertas de tempestade para o estado: amarelo, laranja e vermelho. Os alertas, que atingem diferentes regiões do estado e são válidos até às 12h da terça (7), alertam para risco de tempestade e possibilidade de queda de granizo. Veja na foto abaixo:

Alertas emitidos pelo Inmet nesta segunda-feira (6), válidos até às 12h de terça (7). — Foto: Instituto Nacional de Meteorologia/Reprodução
Alertas emitidos pelo Inmet nesta segunda-feira (6), válidos até às 12h de terça (7). — Foto: Instituto Nacional de Meteorologia/Reprodução

Essa não é a primeira vez que o estado é atingido por tempestades. Em setembro do ano passado, o estado também foi afetado com fortes chuvas, quando 54 pessoas morreram. A tragédia deste mês já contabiliza mais de 100 mortes.

Desde o início do temporal até o dia 6 de maio, as chuvas já causaram prejuízo de R$ 275 milhões no Rio Grande do Sul, segundo levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), conforme noticiou o Globo Rural

Os impactos são sentidos em diversos setores, como na agricultura, setor público, infraestrutura e habitações. As inundações nas lavouras e a morte de animais da agropecuária podem pressionar a inflação nas próximas semanas, já que o Rio Grande do Sul é um importante produtor de arroz, carnes e outros produtos in natura. 

Perdas financeiras no RS

SetorValor
Setor PúblicoR$ 59,9 milhões
InfraestruturaR$ 29,5 milhões
HabitacionalR$ 115,6 milhões
Setor PrivadoR$ 99,8 milhões

Fontes ouvidas pelo Valor ressaltam que as chuvas afetam não apenas o desenvolvimento das culturas, mas o escoamento dos produtos, pelas rodovias e portos do Estado.

Fonte: Valor Economico